G1 faz ‘test-drive’ em carro autonômo da UFES

Veículo percorre curvas com perfeição e parece ‘agir’ com prudência.

‘Carro autônomo’ freia quando alguém passa na frente.

Após o polêmico atropelamento da apresentadora Ana Maria Braga, ao vivo, no programa Mais Você, o G1 fez um ‘test-drive’ no ‘carro autônomo’, que não precisa de motorista, desenvolvido por professores e estudantes da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), em Vitória. O automóvel, que reconhece obstáculos e freia quando alguma pessoa passa na frente, foi totalmente adaptado para que, daqui a alguns anos, possa atender pessoas com necessidades especiais. Apesar do acidente, o veículo circulou pelo Campus de Goiabeiras e obedeceu a todos os comandos dos projetistas. Veja o vídeo acima.

O carro, que também tem a opção de direção manual, é o que se pode chamar de ‘inteligente’. Assim que dá o primeiro arranque, já começa o trajeto que ‘aprendeu’ pelo campus da Universidade, que pode ser acompanhado através da tela de um computador que fica dentro do automóvel.

A primeira sensação para quem está de carona em um veículo sem condutor, mesmo sabendo que ele pode ser controlado também pela equipe do lado de fora, é de espanto, seguida de surpresa pelo desempenho. O carro percorre curvas com perfeição e parece ‘agir’ com prudência a todo o tempo, sempre evitando passar próximo a obstáculos e parando imediatamente quando alguém passa na frente.

Por enquanto, os trajetos que o automóvel aprendeu não são longos, dentro do campus da universidade e do Projac, no Rio de Janeiro. Nesses locais, a maior velocidade alcançada foi de, aproximadamente, 36 km/h. No próximo trajeto planejado, de Vitória ao município de Guarapari, de cerca de 50 quilômetros, a equipe espera que o veículo viaje a 72 km/h. A viagem ainda não tem data marcada pois o carro precisa “aprender” o caminho, mas segundo o professor Alberto, será feito no ano de 2014.

Tecnologia

Os primeiros testes da tecnologia foram realizados em um pequeno carro robô. Até a aquisição do  Ford Escape Hybrid, importado dos Estados Unidos, em setembro de 2012. O motor é híbrido, elétrico e à gasolina, combinação que faz mover o veículo e poupar combustível.

De acordo com o coordenador do projeto, professor Alberto Ferreira de Souza, houve a necessidade de eletricidade por conta das máquinas que fazem parte do comando. “Volante, marchas e freio foram colocados nos Estados Unidos. Fizemos todas as outras adaptações no Brasil. Desenvolvemos os algorítimos, que são os passos necessários para se realizar uma tarefa para colocar os sensores e as câmeras. O supercomputador controla cinco máquinas. Demos ‘olhos’ e ‘cérebro’ a ao veículo, dessa forma consegue aprender trajetos”, explicou.

'Carro autônomo' realizando uma curva, no campus de Goiabeiras da Ufes (Foto: Juliana Borges/ G1 ES)‘Carro autônomo’ realizando uma curva, no campus de Goiabeiras da Ufes (Foto: Juliana Borges/ G1 ES)

Reportagem G1 – 05/04/2013

Alunos e professores do ES desenvolvem carro que anda sozinho

Projeto do veículo foi desenvolvido por estudantes e professores da Ufes.
Para adquirir o carro a previsão é de 10 a 15 anos de espera.

Professores e estudantes do Departamento de Informática da Universidade Federal do Espírito Santo(Ufes) apresentaram uma prévia do futuro, em um passeio no campus da instituição, em Goiabeiras, Vitória. O ‘carro autônomo’, projeto desenvolvido na Ufes, não precisa de motorista, segue o percurso e desvia de obstáculos por meio de sensores. Para adquirir o veículo, no entanto, vai ser preciso aguardar em torno de 10 a 15 anos, segundo estimou o grupo.

De acordo com a aluna do doutorado em ciência da computação, Mariella Berger, a ideia foi dar ‘olhos’ ao carro para que ele pudesse se guiar. “Demos sensores para o carro, baseado na ideia de que nós conseguimos dirigir usando os olhos. Então, demos olhos e cérebro ao carro, para que ele consiga se locomover no mundo”, explicou.

O objetivo do projeto, segundo os professores, é auxiliar pessoas que possuam algum tipo de limitação para locomoção. Os comandos, hoje dados pelo computador, no futuro deverão ser emitidos pelo cérebro. “No futuro, a gente quer que uma pessoa paraplégica possa controlar o carro só com o olhar. Ou, então, uma pessoa cega possa controlar só com o pensamento”, disse o professor Alberto de Souza.

O carro é um projeto dos alunos de pós-graduação do Departamento de Informática do Centro Tecnológico da Ufes. Como cérebro do carro, foi instalado um computador, que é programado antes de o veículo dar partida. No teto do carro, há câmeras que projetam o caminho a ser percorrido. “Nós sempre utilizamos um conjunto de duas câmeras, com as quais conseguimos entender, por meio de inteligência de algoritmos, qual a distância entre um objeto e o carro”, destacou Mariella.

Em cima do veículo, gira um sensor que lança lasers para formar um campo, que facilita a identificação do que está em torno do carro. Os sensores criam um mapa do caminho percorrido, sendo a área livre e os obstáculos apresentados em cores diferentes. “Tivemos que explicar para ele o que é um objeto, ou fixo ou móvel. Ele tem que entender que não pode passar por cima de você. Isso foi uma inteligência que a gente deu para ele”, falou a doutoranda.

A previsão de tempo de espera para conseguir comprar o veículo em uma concessionária é de 10 a 15 anos. “A transformação do nosso automóvel atual para um automóvel totalmente autônomo vai ser gradativa. Cada vez mais, vão ser adicionados aos carros facilidades para torná-los mais confortáveis, mais seguros e mais inteligentes. Eu estimo que, daqui a 10 ou 15 anos, vai ser possível comprar um”, falou o professor.

Carro anda sozinho pela campus da Ufes (Foto: Reprodução/TV Gazeta)Carro anda sozinho pela campus da Ufes (Foto: Reprodução/TV Gazeta)